Acreditamos que uma obra de qualidade começa na base. Em nossa trajetória, iniciada em 1979, temos prestado serviços de consultoria em fundações e obras de terra, investigações geotécnicas e geo-ambientais, instrumentação geotécnica e ensaios laboratoriais de solos.

Damasco Penna

+
03/11/2017Curso UNICAMP – Curso “Investigação Geoambiental”

Investigações Geotécnicas


  • ENSAIOS DE PIEZOCONE (CPTU)
  • ENSAIOS DILATOMÉTRICOS (DMT)
  • ENSAIOS DE PALHETA (VANE TESTS)
  • ENSAIOS PRESSIOMÉTRICOS (PMT)
  • SONDAGENS ROTATIVAS E A PERCUSSÃO (SPT)
  • COLETA DE AMOSTRAS
  • INSTRUMENTAÇÃO GEOTÉCNICA
  • SONDAGENS AMBIENTAIS
  • ENSAIOS DE LABORATÓRIO

ENSAIOS DE PIEZOCONE (CPTU)
 

O ensaio CPT-u vem consolidando-se como uma das principais técnicas de investigação geotécnica no Brasil e no mundo.

Esta ferramenta entrega resultados rápidos e precisos sobre características do subsolo e pode ser utilizada em grande variedade de condições geológicas.

O ensaio consiste na cravação estática, em velocidade constante, de cone instrumentado com três sensores:

  • Resistência de ponta (qc)
  • Resistência ao atrito lateral (fs)
  • Pressões Neutras (u2)

Este último sensor é provido de elemento poroso previamente saturado e por meio dele pode-se realizar, conjuntamente ao ensaio CPTu, ensaios de dissipação da pressão neutra, obtendo-se dessa forma propriedades da permeabilidade do solo ensaiado.

Os ensaios CPTu podem ser utilizados para avaliação, através de correlações, de parâmetros como:

  • Estratigrafia
  • Perfil geotécnico
  • Coeficiente de adensamento (Ch e Cv)
  • Densidade relativa (Dr)
  • Resistência não drenada (Su)
  • Ângulo de atrito efetivo de areias (Ø)
  • História de tensões (tensão de pré-adensamento, OCR)
  • Coeficiente de permeabilidade (K)

A cravação do piezocone é feita por perfuratriz hidráulica e os resultados são obtidos em tempo real, transmitidos à computador em campo.

A Damasco Penna opera os ensaios CPTu desde 2007, contando com equipes qualificadas e equipamentos calibrados, realizando os ensaios conforme padrões internacionais da ISO-22476.

Para conhecer mais sobre este ensaio, recomendamos a leitura do manual “Guide to Cone Penetration Testing” do Prof. Peter Robertson.

 

ensaio-cptu
Equipamento de ensaios CPTU


Bomba a vácuo para saturação do elemento poroso




ENSAIOS DILATOMÉTRICOS (DMT)

 

Utilizado mundialmente desde 1975, o ensaio DMT (Dilatometric Marchetti Test) é considerada uma das mais precisas ferramentas de ensaios “in situ” para previsão de recalques e estimativa do módulo de elasticidade (E) das camadas prospectadas. Com execução rápida e simples, pode ser utilizado em praticamente todos os tipos de solo. O ensaio é normalizado pelo Eurocode 7 e ASTM D6635 – 01(2007) Standard Test Method for Performing the Flat Plate Dilatometer.

 

O teste consiste na cravação de ponteira metálica, com interrupções desta cravação a cada 20 cm. Nestas interrupções, é introduzido gás nitrogênio que expande a membrana metálica da ponteira contra o terreno.

 

Dessa expansão, registram-se em manômetro de precisão duas leituras: a primeira quando a dilatação da membrana “vence” o esforço de compressão do terreno, e a segunda quando esta deforma o solo de 1,1mm.
Por ser um teste realizado “in-situ”, permite obtenção de valores em diversos pontos do terreno e em variadas profundidades.

 

Módulo sísmico
 
Em conjunto com os ensaios dilatométricos DMT podem ser realizados ensaios sísmicos por meio de módulo adaptado ao sistema tradicional.
Este módulo tem dois sensores (geofones) espaçados de 50cm que registram em tempo real a velocidade de onda cisalhante vs permitindo a obtenção do módulo de deformação em baixas tensões G0.

  • Coeficiente de empuxo em repouso (Ko)
  • Módulo de elasticidade (E)
  • Resistência ao cisalhamento não drenada em argilas (Su)
  • Ângulo de atrito interno em areias (F)
  • Classificação granulométrica
  • Razão de sobre adensamento (OCR)

Mais informações em www.marchetti-dmt.it

 

 

ENSAIOS DE PALHETA (VANE TESTS)

 

O ensaio de Palheta (Vane Test) tem por finalidade a determinação da resistência ao cisalhamento de argilas moles saturadas, submetidas à condição de carregamento não drenado (Su).

 

Este teste, normatizado pela ABNT NBR 10905/89  e ASTM D2573-08, consiste na cravação estática de palheta de aço, com secção transversal em formato de cruz com dimensões padronizadas, inserida até a posição desejada para a execução do teste.

 

A ponteira é cravada, utiliza o sistema duplo de hastes, visa eliminar qualquer atrito da haste da palheta de teste com o solo e elimina interferências nas medidas de resistência.

 

Uma vez posicionada, aplica torque à ponteira por meio de unidade de medição, com velocidade de 6 graus / minuto. O torque máximo permite a obtenção do valor de resistência não drenada do terreno, nas condições de solo natural indeformado.

 

Posteriormente, para obtenção da resistência não-drenada, representativa de uma condição pós-amolgamento da argila, gira-se a palheta rapidamente por 10 voltas consecutivas, obtendo-se a resistência não drenada do terreno nas condições de solo “amolgado”, permitindo avaliar a sensibilidade da estrutura de formação natural do depósito argiloso.

 

O equipamento utilizado pela Damasco Penna é do tipo “A”, controlado eletronicamente, garantindo resultados e leituras precisas.

 

Resultados

 

Através dos ensaios de palheta (Vane Test), podem-se obter os seguintes resultados:

    • Gráfico de torque em função da rotação
    • Resistência não drenada nas condições naturais (Su)
    • Resistência não drenada nas condições amolgadas
    • Sensibilidade da estrutura da argila

 

 

Vane Test da fabricante Holandesa Ap Vd Berg

 

 

 

 

VANE - EXEMPLO 1 Exemplo de resultado

 

 

ENSAIOS PRESSIOMÉTRICOS (PMT)
 

Desenvolvido na França na década de 50, os ensaios pressiométricos tipo Ménard (PMT) consistem na inserção em um pré-furo de sonda pressiométrica e deformação radial de membrana por meio de inserção de gás nitrogênio.

É obtida curva de tensão x deformação do solo prospectado, fornecendo as seguintes informações:

  • Módulo pressiométrico de Ménard
  • Pressão limite de Ménard;
  • Pressão residual.

Estes resultados permitem avaliar através de correlações os seguintes parâmetros:

  • Módulo de elasticidade do solo (E);
  • Resistência não drenada dos solos argilosos saturados (Su);
  • Resistência drenada dos solos arenosos (ø);
  • Capacidade de carga e recalques em fundações rasas e profundas.

O ensaio é normalizado pela ASTM D4719 -Standard Test Method for Prebored Pressuremeter Testing in Soils e Eurocode 7



 
SONDAGENS A PERCUSSÃO (SPT)
 

A Sondagem a Percussão (SPT-T), é atualmente a forma mais tradicional de investigação geotécnica no Brasil, sendo realizada por centenas de empresas em todo o território nacional. Padronizada pela norma ABNT NBR-6484, que encontra-se em processo de revisão, possibilita a obtenção de amostras de solo, medida de resistência (SPT), leitura do lençol freático, além de possibilidade de leitura do torque durante a realização do ensaio.
 
SONDAGENS SPT MECANIZADAS
 
Seguindo tendência de outros países bem como atendimento à demandas nacionais de clientes específicos, a Damasco Penna conta com equipamentos que realizam este ensaio de forma mecanizada, com martelo automático de SPT e perfuração por meio de trados helicoidais vazados. Tal processo garante maior precisão, ganho de produtividade, mais segurança dos operadores e perfuração sem água, possibilitando leitura precisa de nível do lençol freático.

 

SONDAGENS ROTATIVAS
 

As sondagens rotativas são utilizadas para estudo de maciços rochosos, por meio de coleta e classificação de testemunhos de rocha.
 

Estas sondagens são realizadas com perfuratrizes mecanizadas que por meio de injeção de água sobre pressão e rotação de coroas diamantadas, realiza a coleta das amostras em diferentes profundidades.

 

APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS
 

O relatório de sondagens rotativas apresentará, além da descrição e classificação dos materiais encontrados, o índice de resistência SPT (nos trechos em solo), leituras do nível do lençol freático e porcentual de recuperação e índice de RQD (trecho em rocha). Complementarmente, no trecho em rocha são apresentadas fotografias das amostras para adequada identificação dos testemunhos.

 


Relatório de sondagens rotativas

 

COLETA DE AMOSTRAS

 

As possibilidades de amostragem de solo são diversas e dependem do objetivo da análise a ser realizada em laboratório, tipo de solo coletado, profundidade de amostragem, resistência do solo, entre outras variáveis.

 

Com o passar dos anos, adquirimos capacidade técnica para a obtenção de tipos diversos de amostragens, sejam coletadas de forma manual ou por meio de perfuratrizes hidráulicas, com objetivos de análises físicas e químicas das amostras coletadas.

 

A seguir descrevemos algumas formas de obtenção de amostras de solo para ensaios laboratoriais. Consulte nossa equipe para outros tipos de coletas e amostragens.

 

AMOSTRADOR TIPO SHELBY

 

O amostrador tipo "Shelby" é utilizado para coleta de amostras indeformadas de solos finos (argilas e siltes argilosos) de baixa consistência. Estas amostragens são realizadas seguindo padrão Brasileiro (ABNT NBR 9820) e americano (ASTM D 1587).

 

A técnica de coleta consiste na perfuração mecanizada por meio de trados vazados "hollow auger" e conjunto de hastes internas as quais impossibilitam entrada de solo nos trados durante a perfuração. Atingida a cota de coleta, insere-se o amostrador "Shelby" que é cravado de forma estática. Dependendo do tipo de solo, para garantir a qualidade da amostra é possível o uso do amostrador com pistão estacionário "Piston Sampler".

 

Amostrador tipo "pistão estacionário"

 
 

AMOSTRADOR TIPO DENISON

 

Este amostrador é utilizado na coleta de amostras indeformadas de solos mais resistentes, quais sejam aqueles rijos e compactos em que não é possível a coleta com o amostrador "Shelby".

 

O amostrador consiste em barrilete triplo dotado de sapata cortante de vídea. A camisa externa é cravada no terreno com sonda rotativa e injeção de água.

 

Detalhe do amostrador tipo Denison

 
 

AMOSTRADOR TIPO “CORTE CONTÍNUO”

 

Este equipamento foi desenvolvido pelaa Damasco Penna com o objetivo de coletar amostras “quase indeformadas” de solo em aterros compactados. O amostrador “corte contínuo” possui parede grossa e é cravado no solo de forma dinâmica, por meio de martelete pneumático, cortando o solo de forma contínua e dinâmica.

 

As amostras são coletadas com 3 polegadas de diâmetro em tubos internos de PVC. No acondicionamento final é utilizada parafina para manutenção da umidade natural até a chegada ao laboratório. Nestas amostras são possíveis ensaios como o "Mini-Proctor", balança hidrostática e obtenção do teor natural de umidade, permitindo desta forma determinação do grau de compactação de aterros mesmo em camadas profundas, que seriam inacessíveis às formas tradicionais de coletas, como poços de inspeção.

 

 

Amostrador tipo "corte contínuo"

INVESTIGAÇÃO GEOTÉCNICA

 

Os serviços de instrumentação geotécnica objetivam monitoramento e registro de deformações, pressões e deslocamentos de obras geotécnicas e de infraestrutura, por meio de instalação de sensores, realização de leituras de inclinômetros, marcos superficiais, piezômetros, entre outros.

 

Contamos com o diferencial de possuirmos perfuratrizes próprias, aptas a instalar instrumentos em diversos tipos de terreno, bem como técnicos especializados na leitura e monitoramento dos locais instrumentados.

 

Utilizamos equipamentos GEOKON, renomado fabricante norte-americano com cerca de 40 anos de experiência na fabricação de sensores e equipamentos de instrumentação. Consulte nossa equipe para informações sobre instrumentos e automação de leituras.

 

SONDAGENS AMBIENTAIS

 

As investigações geo-ambientais possibilitam a determinação da existência de contaminantes no solo e água subterrânea. Desde 2007, prestamos serviços como instalação de poços de monitoramento, coleta de solo para fins ambientais, coleta de água subterrânea, entre outros.

Este tipo de trabalho requer uso de ferramentas e equipamentos limpos e adequadamente descontaminados, garantindo confiabilidade na amostragem e evitando eventuais contaminações cruzadas.

Disponibilizamos aos nossos clientes perfuratrizes com capacidade de instalação de poços de monitoramento e remediação com mais de 100m de profundidade, em solo e rocha, bem como coleta de solo e água pelo método “direct push” em diversos tipos de plantas e diferentes formações geológicas.

sondagens-ambientais-1
Investigações geo-ambientais com equipamento Geoprobe 6625CPT

 

AMBIENTAL LINER 1
Liners acrílicos para coleta e análise de solo

 

 

ENSAIOS DE LABORATÓRIO
 

Os serviços de laboratório de campo para controle tecnológico de obras de terraplenagem é executado pela Damasco Penna desde 1980.
Contamos com equipes de controle tecnológico de compactação de aterros e laboratório de solos para ensaios tais como:

  • Teor de umidade natural
  • Massa específica natural
  • Limites de Atterberg (LL+LP)
  • Granulometria por peneiramento e sedimentação
  • Análise granulométrica conjunta
  • Massa específica real dor grãos
  • Compactação proctor normal
  • Compactação proctor modificada
  • Índice de suporte Califórnia (CBR)
  • Entre outros

caminhoes

 

Consultoria Geotécnica

Com mais de 5.000 projetos realizados (edifícios, indústrias, hipermercados, shoppings e obras de arte) contamos com equipe especializada de engenheiros geotécnicos

+

Nossos Equipamentos

+

Saúde e Segurança

A saúde e segurança dos nossos colaboradores e público em geral caracteriza-se como o principal valor da Damasco Penna.

+

Vídeos

Ensaios CPTU / Piezocone Tests
Amostragem de solo DT-22 Geoprobe
Ensaios de Piezocone (CPTU)
Ensaios Dilatométricos (DMT)
Sondagens SPT mecanizadas
Sondagens rotativas e SPT mecanizado
{"popup_fix":"true"}

Downloads

+

Contato

SÃO PAULO

Alameda Rio Negro, 1105 – 1º andar – cj. 11
Alphaville – SP – Brasil
Tel: 11 4195-8385 damasco@damascopenna.com.br